UOL Menu
Busca
Notícias

09/08/2012 - 14h17 / Atualizada 09/08/2012 - 14h27

Representação contra 'cartilha do mensalão' é apresentada por petista

ERICH DECAT
DE BRASÍLIA

O ex-líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), protocolou nesta quinta-feira (9) no CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) representação em que contesta a publicação de uma cartilha do mensalão produzida pelo Ministério Público no site oficial da instituição.

A cartilha foi criada para explicar o escândalo do mensalão as crianças.No requerimento apresentado ao CNMP, Vaccarezza afirma ser um "absurdo" a publicação do material.

Petistas preparam representação contra Gurgel por 'cartilha do mensalão'
Procuradoria faz 'mensalão para menores' na internet

Segundo ele, as explicações feitas pelo Ministério Público "tratam de preconceitos e prejulgamentos de fatos que se encontram sob apreciação da mais alta Corte do país".

O site "Turminha do Mensalão" foi lançado em 2009 e, segundo a Procuradoria, trata de diversos temas polêmicas como os casos de corrupção no Distrito Federal, batizado de mensalão do DEM.

A Procuradoria Geral República afirma, por intermédio da assessoria, que os réus não são tratados como condenados e que, no infográfico que descreve o esquema, está a informação de que nascera em Minas Gerais.

Também nesta quinta-feira, o líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto (SP), não poupou críticas às acusações feitas contra integrantes do partido pelo chefe do Ministério Público Federal, Roberto Gurgel, no julgamento do mesalão.

"Ele faz a denúncia e é espuma. Isso é uma vergonha para o Ministério Público. O cargo mais alto faz uma denúncia na televisão, no STF, e nos autos não tem nada daquilo que ele fala. Não tem prova", disse Tatto.

Reprodução/Site do Ministério Público Federal
Página do site 'Turminha do MPF' dedicada ao mensalão
Página do site 'Turminha do MPF' dedicada ao mensalão


O STF realiza na tarde desta quinta-feira a sexta sessão do julgamento do mensalão. Farão as sustentações orais os advogados de Henrique Pizzolato (ex-diretor do BB); Pedro Corrêa (ex-presidente do Partido Progressista); Pedro Henri (deputado do Partido Progressista); João Cláudio Genú (ex-assessor do PP) e Enivaldo Quadrado, da Bônus Banval.